PPGBTC PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOCIÊNCIA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Telefone/Ramal: Não informado http://propg.ufabc.edu.br/ppgbtc

Banca de DEFESA: ELISABETE MARIA MELLACE

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ELISABETE MARIA MELLACE
DATA : 13/02/2020
HORA: 14:00
LOCAL: sala 304, 3º andar, Bloco B, Campus SA da Fundação Universidade Federal do ABC, localizada na Avenida dos Estados, 5001, Santa Terezinha, Santo André, SP
TÍTULO:

USO DA TERMOGRAFIA DE INFRAVERMELHO PARA MONITORAMENTO REMOTO DA TEMPERATURA CORPORAL EM BEZERROS (Bos taurus taurus) COM PELAMES CLARO E ESCURO, CRIADOS EM SISTEMA EXTENSIVO.


PÁGINAS: 131
RESUMO:

O monitoramento da temperatura corporal em bovinos é prática importante pois fornece parâmetros sobre a fisiologia do animal e garante condições de bem-estar. No entanto este monitoramento, na maioria das vezes, depende da manipulação do animal como por exemplo contenção para aferição da temperatura retal, ocasionando estresse. Nesse sentido, a termografia de infravermelho, é uma técnica que permite, a distância, mapear um corpo ou uma região distinguindo áreas com diferentes temperaturas e sem a necessidade de contenção do animal. Este trabalho teve como objetivo avaliar a viabilidade de monitoramento remoto da temperatura corporal de bezerros bovinos (Bos taurus taurus) criados em sistema extensivo por meio da técnica de termografia de infravermelho, e compará-la com técnicas tradicionais. Os resultados demonstraram que a fazenda experimental apresentou temperatura ambiente alta durante todo o período de avaliação dos animais, sendo que as frequências respiratória e cardíaca mostraram-se aumentadas tanto em bezerros com pelame claro quanto escuro. Os dados também revelaram que a aferição de temperatura auricular é a menos eficiente e confiável, enquanto que a temperatura retal e aquela obtida por termografia de infravermelho apresentaram resultados similares e fidedignos. O Coeficiente de Tolerância ao Calor demonstrou que, apesar dos animais buscarem abrigo contra a radiação solar direta, esse índice apresentou-se muito aumentado, indicando estresse calórico nos animais independentemente da cor do pelame. Conclui-se, portanto, que a instalação de câmeras termográficas fixas em salas de ordenha, cocheiras de bovinos, e em instalações e ambientes que alojem animais de produção, permite a detecção precoce de elevação de temperatura dos animais em casos de doença ou como resposta fisiológica ao calor, auxiliando na rápida resposta para o retorno do bem-estar animal e formando, assim, uma parceria indissociável entre Medicina Veterinária, Zootecnia e Biotecnologia.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - Interno ao Programa - 1763428 - ELIZABETH TEODOROV
Membro Titular - Examinador(a) Interno ao Programa - 1600878 - ARNALDO RODRIGUES DOS SANTOS JUNIOR
Membro Titular - Examinador(a) Interno ao Programa - 1075476 - MATEUS JOSE SUDANO
Membro Titular - Examinador(a) Interno ao Programa - 851.904.548-00 - MARIA MARTHA BERNARDI - UNIP
Membro Titular - Examinador(a) Externo à Instituição - JOAO DIEGO DE AGOSTINI LOSANO - USP
Membro Suplente - Examinador(a) Interno ao Programa - 1653932 - MARCELO AUGUSTO CHRISTOFFOLETE
Membro Suplente - Examinador(a) Externo ao Programa - 1838194 - RENATA SIMOES
Notícia cadastrada em: 22/01/2020 09:56
SIGAA | UFABC - Núcleo de Tecnologia da Informação - ||||| | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa-1.ufabc.int.br.sigaa-1