PPGBTC PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOCIÊNCIA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Telefone/Ramal: Não informado http://propg.ufabc.edu.br/ppgbtc

Banca de QUALIFICAÇÃO: GREIZIANY SOARES PAULINO OLIVEIRA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : GREIZIANY SOARES PAULINO OLIVEIRA
DATA : 15/08/2019
HORA: 13:00
LOCAL: na sala 307, 3º andar, Bloco B, Campus SA da Fundação Universidade Federal do ABC, localizada na Avenida dos Estados, 5001, Santa Terezinha, Santo André, SP
TÍTULO:

Influência de arsenato (As V) e arsenito (As III) no desenvolvimento de raízes e pelos radiculares de Arabidopsis thaliana



PÁGINAS: 35
RESUMO:

Arsênio é um semi-metal disperso no mundo que ocorre naturalmente na natureza ou através da indústria e atividades agrícolas. As(V) ou arsenato  e As (IIII) ou arsenito   são espécies inorgânicas do arsênio, prevalecem no ambiente natural e são altamente tóxicos para animais e plantas. Estresses por metais e semi-metais podem modificar a arquitetura da raiz e dos pelos radiculares. Já foi descrito que a exposição de Arabidopsis thaliana ao arsenito aumenta a densidade e o comprimento dos pelos radiculares. Porém, ainda não se sabe se os efeitos causados por cada espécie inorgânica de As é semelhante no desenvolvimento de raízes e pelos radiculares. Portanto, o objetivo desse trabalho é avaliar a morfologia das raízes de Arabidopsis thaliana, analisar a dinâmica do citoesqueleto nos pelos de raiz, quando germinadas na presença e ausência de As (V) (arsenato) e As (III) (arsenito). Plantas de Arabidopsis thaliana ecótipo Columbia (Col-0) ou linhagens de A. thaliana marcadoras para retículo endoplasmático (GFP-HDEL) e F-actina (Lifeact-Venus) foram crescidas na presença e ausência de 10 uM de As (III) ou 10 uM As (V) por 7 dias para verificar as diversas respostas morfológicas e anatômicas das raízes sob influência desses contaminantes. Plantas tratadas com 10 uM As (III) (As2O3) apresentaram inibição do crescimento radicular de 75 % comparado com o controle, o surgimento precoce de raízes adventícias e aumento na densidade e comprimento de pelos radiculares na região central da raiz principal quando comparado ao controle. Já as plantas tratadas com 10 uM As (V) (As2O5) não apresentaram diminuição na raiz principal e nem surgimento de raízes adventícias, mas demonstraram um aumento de densidade e comprimento de pelos radiculares semelhantes ao observado nas plantas tratadas com As (III) (As2O3). Tanto plantas tratadas com As (V) quanto com As (III) apresentaram apenas feixes finos de filamentos de actina nos pelos radiculares diferente do observado em plantas do controle, onde feixes espessos foram observados. Além disso, observamos que plantas tratadas com as duas espécies inorgânicas de arsênio apresentaram pelos radiculares com formas sinuosas e onduladas mostrando possíveis diferenças na dinâmica dos filamentos de actina. Nossos resultados sugerem que As (III) e As (V) possuem graus de toxicidade diferentes em raízes de Arabidopsis thaliana e que esses contaminantes afetam de alguma forma a dinâmica do citoesqueleto de actina, que precisa ser melhor investigada.  



MEMBROS DA BANCA:
Presidente - Interno ao Programa - 1600878 - ARNALDO RODRIGUES DOS SANTOS JUNIOR
Membro Titular - Examinador(a) Externo ao Programa - 3067323 - JULIANA HANNA LEITE EL OTTRA
Membro Titular - Examinador(a) Externo à Instituição - FLAVIO JOSÉ RODRIGUEZ CRUZ - UFRPE
Membro Suplente - Examinador(a) Interno ao Programa - 1831780 - DANILO DA CRUZ CENTENO
Membro Suplente - Examinador(a) Externo ao Programa - 1676265 - RICARDO AUGUSTO LOMBELLO
Notícia cadastrada em: 30/07/2019 15:44
SIGAA | UFABC - Núcleo de Tecnologia da Informação - ||||| | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa-2.ufabc.int.br.sigaa-2