PPGBTC PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOCIÊNCIA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Telefone/Ramal: Não informado http://propg.ufabc.edu.br/ppgbtc

Banca de DEFESA: JULIA APARECIDA DA SILVA LIMA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JULIA APARECIDA DA SILVA LIMA
DATA : 05/05/2022
HORA: 14:00
LOCAL: Por participação remota
TÍTULO:

INVESTIGAÇÃO DA RELAÇÃO ENTRE ESTRUTURA E ATIVIDADE DE OITO VARIANTES DO PEPTÍDEO MICROPLUSINA.


PÁGINAS: 78
RESUMO:

O aumento na incidência de microrganismos resistentes ao tratamento com antibióticos disponíveis nos últimos anos tem apontado para o desenvolvimento de novos agentes terapêuticos como urgência imprescindível ao tratamento de infecções. Os peptídeos antimicrobianos (PAMs) são conhecidos por seu mecanismo natural de ação em diversos seres vivos, uma vez que atuam como barreira inicial na resposta imune contra agentes infecciosos, o que tem estimulado o estudo sobre suas propriedades para o desenvolvimento de novos fármacos antimicrobianos. A microplusina, identificada no carrapato bovino Rhipicephalus microplus, é um peptídeo antimicrobiano com estrutura globular, arranjada em cinco α-hélices, rico em resíduos de cisteína e histidina, onde as histidinas His-2 e His-74 estão entre os possíveis aminoácidos envolvidos na formação de um sítio de ligação ao cobre (Cu2+). Apresenta um espectro de atividade contra bactérias Gram-positivas e fungos e estudos com Micrococcus luteus e Cryptococcus neoformans mostraram que a adição de cobre ao meio anula o seu efeito bacteriostático e fungistático, respectivamente, o que pode ser um indicativo de associação entre suas atividades quelante de cobre e antimicrobiana. Considerando-se a importância em aprofundar os conhecimentos sobre o mecanismo de ação antimicrobiana da microplusina, assim como as relações entre sua estrutura e atividade, o objetivo deste trabalho foi expressar oito variantes recombinantes da microplusina com alterações envolvendo as regiões amino e/ou carboxi-terminal, e alterações pontuais nos resíduos de histidina, substituindo-os por alaninas. As oito variantes foram expressas em Escherichia coli BL-21, purificadas e sua atividade antimicrobiana foi avaliada. Os dados indicam que as variantes cujos resíduos de histidina amino-terminais 1 e 2 foram substituídos por alaninas (variantes MPmH1A e MPmH2A, respectivamente) apresentaram atividade antimicrobiana contra a levedura C. neoformans similar à da microplusina, porém com redução em cerca de oito vezes no valor de mínima concentração inibitória (MCI = 1,56 mM para MPmH1A e MPmH2A e 0,09 mM  para a microplusina). Interessantemente, sua atividade quelante de cobre parece não ter sido afetada sem uma destas histidinas, uma vez que a adição de cobre ao meio reverteu o efeito antimicrobiano destas variantes, com retomada do crescimento das leveduras. Por outro lado, as variantes com alterações na região carboxi-terminal e histidina 74 não apresentaram atividade antimicrobiana.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - Interno ao Programa - 1941387 - FERNANDA DIAS DA SILVA
Membro Titular - Examinador(a) Interno ao Programa - 3053215 - LIVIA SENO FERREIRA CAMARGO
Membro Titular - Examinador(a) Externo ao Programa - 2605490 - SERGIO DAISHI SASAKI
Membro Titular - Examinador(a) Externo à Instituição - ELIANE VIRGINIA DA SILVA ESTEVES - USP
Membro Titular - Examinador(a) Externo à Instituição - PEDRO ISMAEL DA SILVA JUNIOR - IB/SP
Membro Suplente - Examinador(a) Interno ao Programa - 1763495 - WANIUS JOSE GARCIA DA SILVA
Membro Suplente - Examinador(a) Externo à Instituição - MARCELO BERGAMIN ZANI
Notícia cadastrada em: 05/04/2022 17:01
SIGAA | UFABC - Núcleo de Tecnologia da Informação - ||||| | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa-1.ufabc.int.br.sigaa-1-prod