PPGCTQ PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA NA ÁREA DE QUÍMICA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Telefone/Ramal: Não informado http://propg.ufabc.edu.br/ppgctq

Banca de QUALIFICAÇÃO: MIGUEL TABANEZ

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MIGUEL TABANEZ
DATA : 30/03/2022
HORA: 09:30
LOCAL: Santo André
TÍTULO:

Análise de metais em modelos de doença de Alzheimer in vitro e in vivo e efeitos do antioxidante hidroxitirosol


PÁGINAS: 35
RESUMO:

               Com o aumento da expectativa de vida da população em geral, a incidência de doenças neurodegenerativas aumenta, sendo cada vez mais possível conhecer alguém que é afetado. A doença de Alzheimer (AD), é comumente conhecida por afetar a memória de quem é diagnosticado com ela, porém outros sintomas conseguem reduzir a qualidade de vida do seus diagnosticados. Mesmo sendo estudada há anos, não sabemos as respostas moleculares sobre a bioquímica envolvida nesta doença de forma esporádica. Uma consequência e/ou fator agravante de AD é a desregulação dos níveis metálicos em células e órgãos. O objetivo deste trabalho é elucidar níveis metálicos por espectrometria de massa com plasma indutivamente acoplado (ICP-MS) em modelos in vitro e in vivo que apresentam respostas moleculares similar à AD. Também é proposto o uso do antioxidante hidroxitirosol (HT, 4-(2-hydroxyethyl)benzene-1,2-diol), derivado metabólico da oleuropreina presente nas folhas de oliveiras e azeite de oliva, para estudar seus efeitos sobre a desregulação de metais e estudos comportamentais nos animais. Para modelos in vitro foram utilizadas células do hipocampo de camundongo com adição de oligômero de beta amiloide (oAβ1-42). O HT apresentou o retorno à níveis basais de cobre e cálcio nas células. Já modelos in vivo, usou-se ratos Wistar com injeções intracerebroventricular (ICV) de estreptozotocina (STZ), molécula capaz de diminuir a absorção de glicose pelas células e causar efeitos bioquímicos e comportamentais similares à AD em animais. Observou-se que o uso de STZ causou uma diminuição na concentração de cobalto do plasma sanguíneo, o que é relatado também em humanos diagnosticados com AD. Já o tratamento prévio por injeção ICV com HT antes da STZ conseguiu impedir a diminuição da concentração de Co. Já em tecido cerebral, o tratamento com STZ no o hipocampo apresentou um aumento da concentração de cálcio e ferro, e em ambos os casos, o tratamento com HT antes da injeção ICV de STZ também impediu este aumento, mostrando efetividade no tratamento antioxidante na proteção celular. O córtex frontal apresentou um aumento nas concentrações de cobre e cálcio com o tratamento por STZ para causar neurodegeneração, porém o uso de HT antes da STZ aumentou a concentração de cálcio enquanto reduziu à nível basal a concentração de cobre. Já na análise comportamental por labirinto de Barnes, animais com apenas injeções de STZ percorreram uma distância maior em apenas uma das tentativas do treinamento em comparação ao grupo controle e com tratamento de HT antes da STZ. No teste final do labirinto de Barnes, o grupo dos animais com tratamento de HT antes da STZ conseguiu aumentar a porcentagem de exploração no alvo em comparação ao grupo com STZ, porém não foi possível notar outra diferença significativa em outros parâmetros. Os resultados apresentaram um efeito atenuador, ou seja, retorno à normalidade, do tratamento proposto com HT sobre os níveis metálicos em modelos de neurodegeneração in vitro e in vivo. No córtex frontal, responsável pela memória e orientação espacial, notou-se um aumento de Cu no tratamento com STZ, e o retorno a normalidade quando HT é usado antes do tratamento neurodegenerativo. Ocorreu aumento nos níveis metálicos de Ca do córtex frontal e Co do hipocampo, no qual o tratamento de HT agravou a diferença entre grupo controle e injeção de STZ. A porcentagem de exploração no alvo foi o único parâmetro em que a injeção de HT antes da STZ conseguiu amenizar a diferença entre o grupo de injeção de STZ e controle. Estes resultados podem demonstrar que a injeção de HT só apresentou benefícios a memória espacial. 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - Interno ao Programa - 1544365 - GISELLE CERCHIARO
Membro Titular - Examinador(a) Interno ao Programa - 1933328 - HELOISA FRANCA MALTEZ
Membro Titular - Examinador(a) Externo ao Programa - 1994696 - SILVIA HONDA TAKADA
Membro Suplente - Examinador(a) Interno ao Programa - 1844792 - AMEDEA BAROZZI SEABRA
Membro Suplente - Examinador(a) Interno ao Programa - 1623774 - KARINA PASSALACQUA MORELLI FRIN
Membro Suplente - Examinador(a) Externo ao Programa - 1872537 - MARCELA BERMUDEZ ECHEVERRY
Notícia cadastrada em: 11/03/2022 11:48
SIGAA | UFABC - Núcleo de Tecnologia da Informação - ||||| | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa-1.ufabc.int.br.sigaa-1-prod