PPGCEM PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Telefone/Ramal: (11) 4996-8201/8201 http://propg.ufabc.edu.br/ppgcem

Banca de DEFESA: GABRIEL CLINT GONCALVES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : GABRIEL CLINT GONCALVES
DATA : 10/06/2021
HORA: 14:00
LOCAL: modo remoto por videoconferência: meet.google.com/cju-eokf-uhp
TÍTULO:

ESTUDO DA TENACIFICAÇÃO POR TÊMPERA QUÍMICA EM VIDROS ALUMINOBOROSSILICATOS COM ÓXIDO DE LANTÂNIO


PÁGINAS: 97
RESUMO:

Vidros aluminoborossilicatos com óxidos de terras raras têm sido objeto de estudo para aplicações em porcelanas dentárias e em lasers de estado sólido por apresentarem elevadas propriedades mecânicas e altos índices de refração. O objetivo deste trabalho foi verificar a viabilidade de tenacificação por troca iônica (têmpera química) como uma alternativa para agregar valor e melhorar ainda mais as propriedades mecânicas deste tipo de vidro. Foram investigadas composições dos sistemas SiO2–B2O3–Al2O3–La2O3–TiO2 e SiO2–B2O3–Al2O3–La2O3–TiO2–Na2O afim de se avaliar a necessidade de inclusão de óxido de metal alcalino para o processo de troca iônica. O teor de óxido de sódio foi variado em 0, 5 e 10 %mol. Os vidros obtidos por fusão em forno elétrico foram temperados quimicamente por imersão e por deposição de pasta de KNO3 a 650 oC e 700 oC em intervalos de 30 minutos, 3 horas e 24 horas. A análise de difração de raios X (DRX) não identificou a presença de fases cristalinas em nenhuma das composições, enquanto a análise de espectroscopia por energia dispersiva (EDS) detectou segregação de fases na composição com 10% Na2O, confirmado por espectroscopia Raman. A avaliação por calorimetria diferencial exploratória (DSC) resultou em faixas de temperatura de transição vítrea (Tg) de 724 e 694 oC para as composições com 0 e 5% Na2O, respectivamente. Para 10% Na2O foram encontradas Tg1 a 653 oC e Tg2 a 718 oC. Após a têmpera, não houve variação positiva na dureza Vickers, mantendo-se igual ou menor para todas as condições analisadas. Houve crescimento de até 47% na tenacidade à fratura (KIc) nas composições com 5% e 10% Na2O, saltando de 1,35 para 1,98 MPa.m1/2 na composição com maior teor de Na2O, segundo o método de fratura por indentação (IF). A análise das superfícies por EDS detectou K+ com intensidade proporcional ao tempo de exposição nas composições com adição de Na2O, indicando a efetividade da troca iônica entre sódio e potássio e sua dependência do tempo.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - Interno ao Programa - 1671394 - HUMBERTO NAOYUKI YOSHIMURA
Membro Titular - Examinador(a) Externo à Instituição - SONIA REGINA HOMEM DE MELLO CASTANHO - IPEN
Membro Titular - Examinador(a) Externo à Instituição - CATIA FREDERICCI - IPT-SP
Membro Suplente - Examinador(a) Interno ao Programa - 1676364 - JULIANA MARCHI
Membro Suplente - Examinador(a) Externo ao Programa - 1761015 - RENATA AYRES ROCHA
Notícia cadastrada em: 08/05/2021 10:06
SIGAA | UFABC - Núcleo de Tecnologia da Informação - ||||| | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa-1.sigaa-1