PPGNMA PÓS-GRADUAÇÃO EM NANOCIÊNCIAS E MATERIAIS AVANÇADOS FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Telefone/Ramal: Não informado http://propg.ufabc.edu.br/ppgnma

Banca de DEFESA: TELMA ZAMBANINI

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : TELMA ZAMBANINI
DATA : 10/12/2019
HORA: 14:00
LOCAL: sala 406, 4º andar, Bloco B, Campus SA da Fundação Universidade Federal do ABC, localizada na Avenida dos Estados, 5001, Santa Terezinha, Santo André, SP
TÍTULO:

Incorporação de vidros biocompatíveis e fármaco em matriz de hidrogel como auxiliar no tratamento de câncer ósseo, visando promover a regeneraçã óssea


PÁGINAS: 180
RESUMO:

O câncer ósseo, geralmente resultante de metástases de tumores prostático e de mama, entre outros, está associado a quadros clínicos de dor e perda de tecido ósseo, as quais podem levar a uma diminuição na qualidade de vida dos pacientes. Se o tratamento convencional de câncer puder ser associado a uma diminuição da perda e/ou regeneração do tecido ósseo, espera-se uma melhora expressiva neste quesito. Este trabalho tem por objetivo o desenvolvimento de um material injetável que possa auxiliar no tratamento local de câncer por braquiterapia e entrega de fármaco, simultaneamente à estimulação da regeneração do tecido ósseo. Trata-se de um sistema que utiliza o vidro biocompatível incorporado com hólmio, associado ao fármaco ácido zoledrônico, em uma matriz de hidrogel a base de poloxamer. A obtenção dos vidros foi realizada via processamento sol-gel, e os vidros, sintetizados com diferentes concentrações de hólmio, foram analisados por análise termogravimétrica e calorimetria diferencial de varredura, ativação neutrônica, difração de raios X, espectroscopia na região do infravermelho com transformada de Fourier, ressonância magnética nuclear e microscopia eletrônica de varredura. Em relação aos sistemas, foi inicialmente produzido o hidrogel a base de poloxamer, ao qual foram adicionados o vidro biocompatível e/ou o fármaco, formando sistemas binários (poloxamer + vidro biocompatível e poloxamer + fármaco) e ternários (poloxamer + vidro biocompatível + fármaco). Os sistemas desenvolvidos foram analisados por microscopia eletrônica de varredura, reologia, calorimetria diferencial exploratória, espalhamento dinâmico de luz e perfil de liberação in vitro. Esses sistemas também foram analisados biologicamente por testes de viabilidade celular (MTT e vermelho neutro, ambos em diferentes concentrações de extrato), avaliação de migração celular (scratcing e transwell) e diferenciação celular osteogênica (vermelho de alizarina e rt-PCR por até 28 e 11 dias, respectivamente). Para todos os ensaios utilizou-se células pré-osteoblásticas e cancerígenas (linhagens MC3T3 e MG63, respectivamente). Os resultados das análises dos vidros mostraram que foram obtidos materiais com composição experimental próxima ao esperado, predominantemente vítreos, sendo formados por redes vítreas de silício com pequena contribuição de fosfatos como formadores de rede. As diferentes quantidades de hólmio não interferiram nas propriedades do vidro, sendo possível modular a dosagem radioativa para braquiterapia de acordo com a necessidade clinica de cada paciente. Os resultados obtidos a partir dos sistemas mostraram que a incorporação dos vidros biocompatíveis e do fármaco à matriz de hidrogel não alterou sua estrutura em camadas e que a incorporação dos vidros biocompatíveis não alterou a temperatura de micelização e de gelificação do sistema. Porém, a presença do fármaco em maiores concentrações resultou em um aumento da temperatura de micelização e gelificação do hidrogel. Os perfis de liberação in vitro indicaram uma diminuição da liberação do fármaco em sistemas com presença de vidros, fenômeno resultante da interação química entre o fármaco e os elementos constituintes dos vidros, com destaque para o cálcio. Os testes biológicos de viabilidade celular indicaram que os vidros mantiveram a viabilidade celular para ambas as linhagens estudadas. A presença do fármaco no sistema apresentou citotoxicidade para células cancerígenas (linhagem MG63) e não citotoxicidade para células pré-osteoblásticas (linhagem MC3T3), dependente da concentração do extrato utilizado. Foi verificado que a presença dos vidros não alterou o potencial de migração de ambas as células. Porém, a presença do fármaco diminuiu o potencial de migração, sendo mais acentuado para as células cancerígenas. Este resultado pode estar relacionado aos fenômenos de citotoxicidade e diferenciação celular. O processo de diferenciação celular foi mais acelerado para as células cancerígenas do que para as células pré-osteoblásticas, comparando com os respectivos controles. A análise conjunta dos resultados permite concluir que foi possível desenvolver sistemas injetáveis multifuncionais que sejam adequados para auxiliar no tratamento de câncer ósseo, tendo um efeito citotóxico para as células alvo cancerígenas e com boa preservação da viabilidade de células saudáveis, com alto poder de regeneração devido a incorporação dos vidros biocompatíveis.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - Interno ao Programa - 1676364 - JULIANA MARCHI
Membro Titular - Examinador(a) Externo ao Programa - 1760410 - JEVERSON TEODORO ARANTES JUNIOR
Membro Titular - Examinador(a) Externo à Instituição - CATIA FREDERICCI - IPT-SP
Membro Titular - Examinador(a) Externo à Instituição - Joel Machado Jr - UNIFESP
Membro Titular - Examinador(a) Externo à Instituição - GIOVANA TOFOLI MONIZ
Membro Suplente - Examinador(a) Interno ao Programa - 1600858 - HERCULANO DA SILVA MARTINHO
Membro Suplente - Examinador(a) Externo ao Programa - 1600878 - ARNALDO RODRIGUES DOS SANTOS JUNIOR
Membro Suplente - Examinador(a) Externo ao Programa - 1761015 - RENATA AYRES ROCHA
Membro Suplente - Examinador(a) Externo à Instituição - CARMEM VERÍSSIMA FERREIRA-HALDER - UNICAMP
Notícia cadastrada em: 18/11/2019 09:56
SIGAA | UFABC - Núcleo de Tecnologia da Informação - ||||| | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa-2.ufabc.int.br.sigaa-2-prod